“Diversidade, engajamento e cultura devem constar na avaliação de executivos”

Para CEO da Spencer Stuart, Fernando Carneiro, remuneração está longe de ser o item mais importante das discussões sobre desempenho

  • 17/02/2020
  • Equipe IBGC
  • Eventos
backgroundImageAlt1

Erika, Célia, Carneiro e Dutra durante o evento de lançamento da pesquisa na sede do IBGC. Fotos: Kaique Alves/IBGC

“Um presidente de empresa deveria ser avaliado pela diversidade na composição de seus quadros, pelo engajamento de seus funcionários, pela evolução da cultura organizacional da companhia”, defendeu o CEO da consultoria Spencer Stuart no Brasil e América Latina, Fernando Carneiro, durante o lançamento da pesquisa de Remuneração dos Administradores do IBGC.

Para Carneiro, as discussões envolvendo avaliações e remunerações de executivos, conselheiros e administradores são bastante dinâmicas. “O debate está evoluindo no país e em todo o mundo, mas a grande questão está no alinhamento entre o que a sociedade espera desses profissionais e suas ações”, explicou em mesa redonda com o coordenador do Comitê de Elegibilidade e Remuneração do Banrisul e coordenador da Comissão de Governança em Instituições Financeiras do IBGC, Arnaldo Dutra, a diretora de Desenvolvimento Humano Organizacional da Camil Alimentos, Erika Magalhaes, e o doutor e coordenador do mestrado em Gestão Empresarial da Fundação Getulio Vargas (FGV), Joaquim Rubens Fontes Filho.

Segundo o CEO da Spencer, a remuneração é um item importante da discussão, mas está longe de ser o mais importante. “Muitos conselheiros éticos e excelentes profissionais estão sendo responsabilizados por acontecimentos que ocorreram nas empresas muito antes deles chegarem. Agora que a avaliação desse tipo de risco está cada vez mais clara, a demanda por conselheiros deve aumentar, assim como suas remunerações”, disse.

Parceiro do IBGC na realização da pesquisa de Remuneração, Fontes Filho chamou a atenção para a importância da remuneração executiva para além dos números, como um instrumento de retenção de talentos, alinhamento de interesses entre os conselheiros e as companhias e incentivo ao apetite a risco por parte dos administradores. 

Já Erika Magalhaes apresentou três modelos de remuneração adaptados aos propósitos e portes de cada organização. Em startups ela apontou, por exemplo, salários fixos menores e um incentivo de curto prazo, com bônus anual mais agressivo. “Em empresas administradas por fundos, você vê salários médios, bônus anuais maiores e gatilhos baseados no Ebtida [lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização]”, explicou. E, finalmente, empresas tradicionais, de acordo com Erika, têm relações mais equilibradas, com um salário fixo maior e incentivos de longo prazo.

Dutra elencou por fim os desafios das empresas estatais e de economista mista diante da necessidade de reter talentos. “Sabendo a importância da remuneração adequada, é um trabalho do conselheiro discutir a questão do teto constitucional com governadores, senadores, prefeitos, para tentar reverter essa situação”, afirmou. 

A mesa redonda foi mediada por Célia Assis, participante da Comissão do Conselho de Administração e do grupo de trabalho Conselho do Futuro do IBGC. 

Confira as últimas notícias do Blog do IBGC

Governança de empresas familiares no enfrentamento de crises econômicas

Governança de empresas familiares no enfrentamento de crises econômicas

03/07/2020

Artigo detalha os principais desafios das famílias empresárias em períodos críticos de gestão

Saiba mais
Com crise, organizações focam no curto prazo e na estruturação da governança

Com crise, organizações focam no curto prazo e na estruturação da governança

03/07/2020

Evento do IBGC expõe diferentes enfoques de boas práticas em negócios familiares durante a pandemia

Saiba mais
Notícias da semana: o novo papel dos conselhos administrativos

Notícias da semana: o novo papel dos conselhos administrativos

03/07/2020

Presidente do conselho de administração do IBGC Henrique Luz fala sobre o avanço da relevância da governança após a pandemia; veja essa e outras notícias

Saiba mais
Segundo Richard Doern, ensino on-line deve acelerar disseminação da governança

Segundo Richard Doern, ensino on-line deve acelerar disseminação da governança

02/07/2020

Instrutor do instituto vê mais diversidade e networking no ambiente virtual

Saiba mais
Nova publicação do IBGC traz orientações sobre governança em privatizações

Nova publicação do IBGC traz orientações sobre governança em privatizações

01/07/2020

Coordenador do trabalho, André Camargo fala da importância do tema para as empresas brasileiras

Saiba mais
Documento aponta transparência e responsabilidade como elementos de alcance da boa governança

Documento aponta transparência e responsabilidade como elementos de alcance da boa governança

30/06/2020

Destaque do Portal do Conhecimento do IBGC em junho analisa complementariedade dos relatórios corporativos

Saiba mais