PL pede mais clareza sobre objetivos de empresas estatais

  • 29/04/2019
  • IBGC
  • Panorama regulatório

Para que existe uma empresa pública ou uma sociedade de economia mista? No Brasil, segundo o artigo 173 da Constituição Federal, “a exploração direta de atividade econômica pelo Estado só será permitida quando necessária aos imperativos da segurança nacional ou a relevante interesse coletivo, conforme definidos em lei”, ressalvados os casos previstos na carta magna. Apesar desse princípio constitucional e das finalidades teoricamente definidas por cada lei que cria uma empresa sob controle do Estado, dúvidas persistem entre legisladores, reguladores, órgãos de fiscalização e controle e no debate público em geral.

O PL 798/2019 (PLS 155/2018, no Senado Federal), de autoria do Roberto Muniz (PP-BA), que não cumpre mais mandato, limita-se a acrescentar o seguinte parágrafo único ao artigo 89 da Lei 13.303/2016 (Lei das Estatais): “O órgão referido no caput, em conformidade com os cenários socioeconômico e ambiental, especificará, em documento publicado anteriormente à carta a que se refere o inciso I do art. 8º desta Lei, os objetivos de políticas públicas compatíveis com o imperativo de segurança nacional ou o relevante interesse coletivo que, identificado em lei, justifica a manutenção das atividades da empresa pública ou da sociedade de economia mista.” O órgão de que trata o caput é aquele ao qual a estatal está vinculada e pelo qual ela é supervisionada, no âmbito do Poder Executivo.

Na justificativa do projeto, Muniz reforça que a avaliação e transparência das públicas cumpridas por empresas estatais seriam deveres do Estado. “Essa verificação de conformidade com o texto constitucional deve ser feita sempre pelo governo, ente que detém a administração do Estado e que, por consequência, deve dizer, considerando o cenário atual, qual o relevante interesse coletivo ou imperativo de segurança nacional determinada estatal deve cumprir, tudo, não custa falar, nos limites da lei de criação”, afirma.

A Lei das Estatais buscou diminuir as incertezas e aumentar a segurança jurídica sobre os interesses públicos perseguidos por essas organizações em seu artigo oitavo, exigindo entre outras coisas, a elaboração de carta anual, “com a explicitação dos compromissos de consecução de objetivos de políticas públicas pela empresa pública, pela sociedade de economia mista e por suas subsidiárias, em atendimento ao interesse coletivo ou ao imperativo de segurança nacional que justificou a autorização para suas respectivas criações”.

O parágrafo primeiro do artigo oitavo da Lei das Estatais afirma também que “o interesse público da empresa pública e da sociedade de economia mista, respeitadas as razões que motivaram a autorização legislativa, manifesta-se por meio do alinhamento entre seus objetivos e aqueles de políticas públicas, na forma explicitada na carta anual (...)”.  

Em fevereiro, o PLS 155/2018 foi aprovado pelo Senado e remetido à Câmara, onde está sendo analisado por três comissões como PL 798/2019. Antes de seguir à sanção presidencial, o projeto ainda deve retornar a sua casa de origem, o Senado, após a avaliação e possíveis alterações promovidas pelos deputados. Independentemente do resultado, o PL toca em um ponto delicado sobre papel das estatais. Mesmo com todo o aparato legal, somente 15 das 31 sociedades de economia mista listadas em bolsa haviam divulgado suas cartas anuais de governança corporativa e políticas públicas no ano passado, de acordo com pesquisa do IBGC.

Confira as últimas notícias do Blog do IBGC

Informe de Governança  como ferramenta estratégica

Informe de Governança como ferramenta estratégica

19/07/2019

Companhias listadas na categoria A devem enviar documento ao regulador até 31 de julho

Saiba mais
Notícias da semana

Notícias da semana

19/07/2019

Acompanhe as principais notícias e reportagens sobre governança corporativa publicadas pela imprensa brasileira

Saiba mais
Nove passos para implantar práticas de governança em empresas inovadoras

Nove passos para implantar práticas de governança em empresas inovadoras

18/07/2019

Auditoria independente, boa relação com investidores e promoção de uma postura ética estão na lista de recomendações do IBGC

Saiba mais
Seu conselho está atento a práticas de segurança da informação?

Seu conselho está atento a práticas de segurança da informação?

17/07/2019

Conheça nove responsabilidades do conselheiro envolvendo o tema; definição de estratégias para ativos críticos está entre as ações

Saiba mais
IBGC indica novos coordenadores gerais de capítulos

IBGC indica novos coordenadores gerais de capítulos

16/07/2019

Mandatos nas sete regionais do instituto pelo país valem até 2022

Saiba mais
Número de mulheres conselheiras aumenta na Grã-Bretanha

Número de mulheres conselheiras aumenta na Grã-Bretanha

15/07/2019

Atualmente, 48 empresas da região já atingiram a meta exigida para 2020

Saiba mais