Como aliar estratégia climática à remuneração executiva?

Guia mostra melhores práticas de remuneração nas empresas como ferramenta poderosa para mitigar riscos climáticos

  • 18/11/2021
  • Gabriele Alves
  • Você sabia?

A Willis Towers Watson, em parceria com a Climate Governance Initiative (CGI), acaba de publicar um guia sobre como integrar a estratégia climática de forma significativa às estruturas de remuneração de executivos. Disponível no Portal do Conhecimento do IBGC, a publicação é resultado de entrevistas com membros de conselhos em todo o mundo, além da revisão de divulgações públicas de mais de 800 empresas. O Chapter Zero Brazil, capítulo Brasil da CGI representado pelo IBGC, apoiou o guia que também contou com a colaboração de alguns respondentes brasileiros durante as pesquisas desenvolvidas.

Para chegar ao documento final titulado “Executive Compensation Guidebook for Climate Transition”, as organizações ouviram 89 membros do conselho em 14 países de vários setores e descobriram que, apesar de haver um número substancial e crescente de membros do conselho global que trata as mudanças climáticas como elemento significativo das prioridades ESG, e como estratégia geral de suas empresas, a maioria reconhece que ainda estão em uma curva de aprendizado íngreme, com a administração desenvolvendo, somente agora, as habilidades necessárias para formular as estratégias climáticas mais adequadas. A área de divulgações climáticas, especialmente relacionadas à remuneração dos executivos, é uma das que os investidores exigem maior transparência.

O material surge no momento em que esses investidores esperam que os membros do conselho não apenas conduzam a adoção de uma estratégia de transição climática confiável ao buscar reduzir suas emissões de carbono, mas também forneçam evidências claras de que sua execução tem sido incorporada de forma eficaz em todos os processos de gestão. Isso  inclui a gestão de risco empresarial, o planejamento estratégico, a inovação, bem como o investimento de capital humano.

“O papel de governança do conselho é desafiar gerenciar cada etapa do caminho e garantir engajamento de todos os principais grupos de interessados”, destaca o texto do documento.

6 passos para reduzir emissões de carbono e remunerar executivos

De modo a orientar como os conselheiros podem dirigir as melhores práticas climáticas com  os objetivos da remuneração executiva, o guia apresenta 6 passos que ajudam a desenhar uma estrutura importante para determinar como as métricas do clima podem ser efetivamente incorporadas aos planos de incentivos executivos. Veja quais são eles:

1) Alinhar as prioridades climáticas com estratégia de negócios: é necessário incorporar aqui uma organização clara das prioridades climáticas, além de averiguar o risco empresarial e o quadro de oportunidades

2) Metas climáticas vinculadas à visão de emissões líquidas zero: articular uma visão clara sobre as emissões zero  até 2050 (ou antes) e definir marcos de curto, médio e longo prazo

3) Selecionar as métricas adequadas: considerar a visão / e as metas da empresa na escolha das métricas

4) Projeto de remuneração adequado à finalidade:  verificar as práticas de mercado de referência e os próprios objetivos climáticos da empresa para finalizar o mecanismo e a fórmula do projeto de remuneração

5) Contar com divulgações: o design e a seleção de métricas devem ser divulgados de forma clara, alinhada com a estratégia de negócios e outras divulgações de clima e ESG

6) Evoluir e aprender ao longo do tempo: envolve revisar a eficácia e ajustar o design, as métricas e as metas ao longo do tempo

De acordo com o guia, os conselhos reconhecem que as métricas climáticas e os sistemas de desempenho não são perfeitos, pois eles e a administração ainda estão aprendendo. A maioria reconhece a importância de dar o primeiro passo, mesmo que isso signifique que as métricas e as metas climáticas continuarão a evoluir ao longo do tempo, especialmente para setores onde a transição climática representa um desafio existencial.

Na publicação, é possível encontrar um resumo, por setores da indústria, que mostra onde se encontra cada setor em termos de ações contra as mudanças climáticas por meio da remuneração dos executivos. Para acessá-la, clique aqui.






Confira as últimas notícias do Blog IBGC