Cultura é determinante para transformação digital

Colaboradores precisam compreender a importância da inovação e estar engajados nas mudanças de estratégias e processos

  • 07/06/2019
  • IBGC
  • Bate-papo

Cesar Velloso, da Gartner, participará do Encontro de Conselheiros, no dia 24, em São Paulo

“A transformação é consequência da inovação das ideias e a tecnologia é uma ferramenta”, esclarece Cesar Velloso, country manager da consultoria Gartner. Velloso será um dos palestrantes do 7º Encontro de Conselheiros, que acontece no próximo dia 24, em São Paulo, sob o tema “Conselhos que transformam”. Para que a transformação aconteça, as empresas precisam de líderes habilidosos e também de uma cultura organizacional favorável. Segundo ele, se as pessoas não compreenderem a importância da inovação, projetos e estratégias falharão. Confira na entrevista a seguir:


Qual é a maior dificuldade enfrentada pelas empresas no decorrer do processo de transformação digital?

Muitos CEOs não percebem que existe uma força oculta que desafia a transformação digital: mesmo sendo um líder visionário que compreende a importância da inovação, não conseguirá implantar projetos se não mudar a cultura organizacional. As pessoas precisam estar abertas à transformação e assimilar novos processos – que passam a ser integrados e colaborativos no mundo digital. Os ambientes devem ter mais diversidade e os negócios precisam ser mais resilientes a erros. Se os colaboradores não entenderem e não estiverem engajados com a transformação, a cultura pode bloquear a inovação. Este é o maior motivo de insucesso na execução de processos de transformação digital, segundo relato de executivos. 

Como o conselho de administração pode contribuir para a formação de uma cultura organizacional favorável à inovação?

O conselho deve assegurar que a cultura organizacional não está brecando a execução dos planos de transformação. O conselho precisa mimetizar internamente a mudança da cultura que deve acontecer em toda a organização. Ele precisa compreender a importância da inovação, se readequar e se reinventar. O papel do conselho é habilitar a transformação digital. Se o conselheiro é avesso ao risco de um processo mais inovador, essa atitude pode matar o negócio em dois ou três anos. 

A governança corporativa ajuda ou atrapalha no processo de transformação?

Uma governança focada em compliance e controle de risco dá previsibilidade nas receitas e segurança aos acionistas. A governança é inexorável aos negócios de sucesso. Porém, em um ambiente inovador e disruptivo, ela não pode sobrecarregar a gestão e os controles, pois isso inviabiliza a transformação. Diferentemente de negócios tradicionais e analógicos, a governança em ambientes de inovação vai acontecer em outro formato, dentro do paradigma digital. Os negócios digitais são mais tolerantes a erros, o que pode ser considerado um risco em empresas tradicionais. A inovação pressupõe construir e destruir negócios. Isso não quer dizer que a governança no modelo digital seja sinônimo de irresponsabilidade.

Quais são as características do líder da transformação digital?

O líder digital precisa ser visionário. É aquele que olha algumas posições adiante no tabuleiro de xadrez. Esse líder, além de conhecer bem o negócio, pensa de maneira ampla e holística. O mundo digital é multifacetado, agregando diversas atividades e parceiros em um único negócio. Por isso, o  líder também precisa ter mente aberta a tudo o que acontece além dos muros da empresa. Ele também precisa estar aberto a riscos, ser resiliente diante de erros e capaz de mudar os rumos do negócio ao perceber que não terá o retorno esperado. 

A inovação depende somente de tecnologia?

Existe uma confusão entre inovação e inovação tecnológica. A real inovação começa no campo das ideias, transformando paradigmas na maneira como as empresas pensam os seus negócios. Normalmente, as inovações mais disruptivas são alavancadas pela tecnologia, mas as principais mudanças acontecem nos processos e nas estratégias. Quando as tecnologias emergentes são dominadas e sua adoção bem planejada, elas conseguem resolver questões do negócio e gerar novas fontes de receita. A transformação é consequência da inovação das ideias e a tecnologia é uma ferramenta.

Como a tecnologia está transformando as empresas?

Nos últimos anos, tecnologias disruptivas criaram o que chamamos de tecido digital. Esse ambiente inclui soluções de mobilidade, redes sociais, computação em nuvem (cloud), capacidade de análise de grande volume de dados (analytics e big data), entre outras. Essas inovações têm como pano de fundo a “consumerização”: o uso intenso de dispositivos eletrônicos nas empresas e na vida pessoal. Todo esse aparato digital, antes restrito a quem era formado em tecnologia, agora faz parte da vida de todo ser humano. Esse ecossistema transformou a maneira como fazemos negócios. Agora, as empresas precisam repensar seus negócios dentro desse ambiente digital (e com serviços disponibilizados diretamente aos clientes). Organizações que se aproveitaram desse tecido digital conseguiram oferecer soluções inovadoras com mais agilidade. Atuar nesse ambiente digital se tornou um diferencial competitivo e garante a sobrevivência dos negócios, cada vez mais pressionados por empresas disruptivas.

Acompanhe a agenda de eventos