“ESG deve ser tratado como um tema transversal”

Cláudia Romano, vice-presidente de relações governamentais da Yduqs, vê educação como grande vetor da agenda social

  • 14/05/2021
  • Ana Paula Cardoso
  • Bate-papo

As empresas de gestão de ativos, como a Black Rock, têm se posicionado que critérios de ESG - ambiental, social e governança na sigla em inglês - contam para a seleção de novas empresas para alocar seus investimentos. Fala-se atualmente de ESG como parte fundamental da estratégia de empresas para garantir a sobrevivência da organização. 

Mas como garantir que a agenda ESG esteja cada vez mais na prática e menos no discurso? Para Cláudia Romano, vice-presidente de relações governamentais, sustentabilidade e comunicação da Yduqs, o setor no qual atua pode dar exemplos de iniciativas de práticas direcionadas ao social, ambiental e de governança. 

Para ela, a educação é o principal vetor mobilidade social no país. "A presença de uma instituição de ensino alavanca naturalmente o desenvolvimento socioeconômico", disse Cláudia. Cláudia conversou com o Blog do IBGC e contou sobre as iniciativas adotadas pela empresa onde atua e que são exemplos de ESG na prática. Veja a íntegra da entrevista a seguir.

IBGC. A agenda ESG é estratégia fundamental para a sobrevivência da empresa? 
Claudia Romano. O fator ESG deve ser tratado como um tema transversal e os contextos de governança, sustentabilidade e responsabilidade social são essenciais para uma atuação mais responsável das organizações. Agindo dessa forma, além de dar visibilidade, naturalmente as organizações tendem a ser mais valorizadas e mais observadas. Atualmente, os investidores e sociedade em geral estão pautando as suas escolhas por trabalho, estudo, projetos, investimento, em organizações que estejam atentas a essas causas. Mas isso não pode ser um modismo, tem que fazer parte do dia a dia da organização.

Como isso pode estar cada vez mais prática e menos discurso?
Tem que fazer parte do dia a dia da organização. No caso da Yduqs, as ações nessas frentes são genuínas e fazem parte da nossa essência, do nosso DNA. Sustentabilidade não é um destino, é uma forma de caminhar. Nossa energia é direcionada para ações duradouras, relevantes e abrangentes. temos diversos projetos que causam impacto direto na sociedade e nos nossos alunos. Temos um compromisso com os nossos alunos e com a sociedade em geral. Queremos que nossos estudantes sejam também melhores cidadãos, mais atuantes e mais conscientes de seus direitos e deveres, de suas obrigações para com o Brasil.

Pode nos dar algum exemplo?
Um dos projetos mais inspiradores criados recentemente, é o de Alfabetização e Letramento de Jovens e Adultos. Por um período de quatro meses, os adultos e jovens assistem aulas com estudantes dos cursos superiores de pedagogia e de licenciaturas - como Letras, História, Geografia e Matemática - com a supervisão do corpo docente. O projeto, que tem um método exclusivo e próprio – com alfabetização em 100 horas -, já formou mais de 500 alunos em quatro cidades e acontece em 12 Unidades. Em um país onde 7% da população ainda é analfabeta, um projeto como esse tem uma ousada meta: erradicar o analfabetismo nas comunidades do entorno de suas unidades nos próximos anos.

Quais exemplos que a YDUQS pode deixar como legado, em termos de ESG na prática, para que empresas mesmo de outros setores possam replicar?
Do ponto de vista de governança e compliance, por exemplo, foram desenvolvidas diversas práticas a destacar.  Há alguns anos, a companhia passou e disseminar práticas de governança para todos os seus stakeholders, como: criação de campanhas institucionais internas periódicas de compliance; treinamentos periódicos aos colaboradores e administradores; atualização e criação de políticas corporativas, regimentos internos e códigos, divulgadas no website, no Portal de Governança da Companhia e nos sistemas dos agentes reguladores; reformulação do escopo de atuação de auditoria interna e implementação de uma área de gerenciamento de riscos; criação de um Canal Confidencial de Denúncias; entre outras práticas. Outro destaque são os novos indicadores de diversidade mostram evolução na participação feminina na companhia – 53% de mulheres, que também são a maioria nos cargos de liderança.

Educação é uma grande ferramenta do social. E este é o setor no qual você atua. Quais são os exemplos de iniciativas de práticas de governança direcionadas ao social, ambiental e de governança desenvolvidas na YDUQS as quais você gostaria de ressaltar? 
Sem dúvida que a educação superior é o principal vetor mobilidade social no país. A presença de uma instituição de ensino alavanca naturalmente o desenvolvimento socioeconômico regional, como, por exemplo, nos casos de cursos de medicina e saúde. Nossas instituições contribuem, com conhecimento e inovação, para o desenvolvimento social e ambiental da sociedade. Há muitos anos, a missão de educar da organização vai muito além das salas de aula. Nosso programa de Responsabilidade Social, que tem atualmente cinco pilares, teve início em uma das instituições da Yduqs, atuando no esporte por meio de parcerias com Comitê Olímpico e Paraolímpico, institutos e auxiliando atletas renomados na transição de carreira. Ao longo dos anos, a atuação e o programa se estenderam por meio da cultura, cidadania, escola, Inovação e empreendedorismo. De lá para cá, já são milhares de vidas impactadas pelas iniciativas e ações.